repórter

textos de Augusto Baptista

10 août 2007

Sedimentos


 

 Num tempo antigo os romanos alcançaram o lugar, rasgaram a paisagem com lajedo. E a velha estrada de pedra cavalgou o espaço, vertebrou a terra. Esta terra. Depois, a via verteu-se para o baixio, atravessado pela linha de água. Saltou o riacho. E os romanos foram-se por aí, caravanas de carros-de-bois e mulas, garranos e peões. Presença que o asfalto esconde, os olhos ignoram, resiste a velha ponte na área industrial de agora, visível rente à água que escorre. Rente ao cheiro.

 Neste espaço de fábricas, muros, vedações, prédios, moradias, cavalgado por automóveis  com gente veloz, neste espaço que nada diz de outrora, nada diz dos melros de há uns anos por aqui, cães a cantar ao coelho, galinholas gordas e petos reais, bandos nutridos de abetoninhas no Inverno, texugos, doninhas, grilos, leituga tenra, campos de lavoura e gado a cobrirem tudo, neste espaço que nada diz das legiões romanas a empoeirar o Sol, gemido de rodas cansadas, estandartes, cascos de bestas suadas, neste espaço, enfim, a sublime sobrevivência da automotora que nos chega a apitar, roufenha, na linha férrea, ao fundo. 


Augusto Baptista


Posté par teodias à 15:49 - Commentaires [0] - Permalien [#]

Commentaires

Poster un commentaire