repórter

textos de Augusto Baptista

09 octobre 2006

Entrevista com Júlia Cota

(publicada na revista Notícias Magazine n.º 466, 29 de Abril de 2001) Chama-se...  o meu nome direito é Júlia da Rocha Fernandes de Sousa, mas, conhecida pelo artesanato, sou Júlia Côta Nasceu... em 1935, no dia 26 de Dezembro, no lugar de Souto de Oleiros, Galegos de  Santa Maria, Barcelos Obsessão... a mesa de trabalho, o barro Devaneio maior... sou-lhe sincera, do que eu gosto mesmo é de bacalhau, da badaninha do bacalhau com batatas e molho cozido (azeite, meia folha de... [Lire la suite]
Posté par teodias à 07:20 - Commentaires [0] - Permalien [#]

03 octobre 2006

Os reis da bicharada

Pequenos ou mesmo minúsculos em tamanho, gigantes em número e em idade, campeões no jogo do disfarce e do ardil, mestres na arte da sobrevivência, os insectos são os verdadeiros senhores do planeta. Cigarras, grilos, ralos, eles sim — muito mais provavelmente do que nós — serão naturais protagonistas nos distantes amanhãs que cantam. Texto de Augusto Baptista   Muito difundida é a ideia de que a bicharada animal já foi toda ela descoberta. Apesar deste muito generalizado entendimento, as coisas não são... [Lire la suite]
Posté par teodias à 08:17 - Commentaires [1] - Permalien [#]
02 octobre 2006

Poesia maior

Arquitecto de formação, Virgínio Moutinho é um obreiro de quimeras, a que chama brinquedos. Escultor de utopias, as suas obras aspiram ao perpétuo movimento, à concreta abstracção, ao pleno despojamento, ao paradoxo. E à síntese, na alquímica transmutação da forma em fumo, da substância em poesia. 1   Texto de Augusto Baptista   Há quatro anos, propôs para o Parque da Cidade, no Porto, um peixe metálico com quase dez metros, que andava debaixo de água e emergia, de tempos a tempos, com um jacto... [Lire la suite]
Posté par teodias à 18:15 - Commentaires [0] - Permalien [#]
02 octobre 2006

O Seringador

Desde os anos 60, João de Almeida Arrepia é a alma d'O Seringador, folheto centenário que elegeu como figura emblemática um barbudo e emplumado desinfestador de sociais mazelas. 1   Texto de Augusto Baptista   À primeira vista, tudo suporia desencontro. Ele, asa celeste, nado em 1936, chão de Foz Côa, estudante em Vinhais e em Macau. Ela, nascimento no Porto em 1866, pendor terreno, vocação anticlerical. Mas quis a sorte que cruzassem destinos. Foi na Lello que ambos se encontraram, nos anos... [Lire la suite]
Posté par teodias à 12:24 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
02 octobre 2006

A árvore de pé descalço

 Tronco dobrado sob o molho da carqueja, Palmira de Sousa foi, durante quase meio século, a fantástica figuração de uma árvore de pé descalço a caminhar no Porto, fustigada pela mais inclemente exploração. 1                                                                      ... [Lire la suite]
Posté par teodias à 00:01 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
30 septembre 2006

O tocador de trombone

Entre as artes gráficas e a música, Domingos Vieira gastou 73 anos. Um novato, comparado com os 120 — quase a fazer — da sua filarmónica: a Banda Marcial da Foz do Douro.                                                                                ... [Lire la suite]
Posté par teodias à 22:04 - - Commentaires [0] - Permalien [#]

29 septembre 2006

Vamos salvar a Cachena?

É portuguesa a raça bovina mais pequena do mundo. Vive nas zonas de alta montanha, concelho de Arcos de Valdevez, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, chama-se Cachena. E, para não variar, quando se trata de coisas nossas, preciosas, está em vias de extinção. 1     Texto Augusto Baptista   Há anos ouvi falar da Cachena: iminência de extinção, pequeno tamanho, solar a norte, no Alto Minho. Achei imperioso reportar o caso, ir ao encontro do animal, contar-lhe a... [Lire la suite]
Posté par teodias à 09:19 - Commentaires [2] - Permalien [#]
28 septembre 2006

O retrato do retratista

Entre as muitas possibilidades que a fotografia suscita, o retrato sempre foi a sua primeira opção. Profissional com 81 anos de «puro amadorismo», Fernando Aroso é — na palavra de António Pedro — «um admirável artista que é preciso conhecer». 1   Texto de Augusto Baptista   Caminha inquieto, enquanto por gestos indica o trajecto para a entrada do estúdio: «Tenho de o fotografar à minha maneira», magica. O outro senta-se, olhos ... [Lire la suite]
Posté par teodias à 09:10 - - Commentaires [2] - Permalien [#]
27 septembre 2006

O camarada doutor

Nos primeiros anos de Angola independente, decaiu o tratamento por senhor, senhora, sob a onda camarada. A ânsia colectiva de igualdade, fraternidade, liberdade, pautava então as relações. António Cadete Leite, médico do Porto e professor de Anatomia, não escapou à regra: era o camarada doutor. 1   Texto Augusto Baptista    Manhã de 1978, bem cedo, o funcionário entra-lhe de rompante pelo... [Lire la suite]
Posté par teodias à 22:48 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
25 septembre 2006

Humor em Abel Salazar

De Abel Salazar prevalece a imagem do circunspecto cientista e professor da Escola Médica do Porto, do artista grave, cores penumbrosas e térreas, desenhos cinza-carvão, cobre martelado... E no entanto — artista da vida, permanente deslumbre pela Mulher, investigador emérito, homem de causas — Abel Salazar foi um cultor da alegria luminosa, um devoto do riso, faceta menos conhecida da sua obra. Mestre plural, vida de 57 anos — nasceu em Guimarães, 1889, faleceu em Lisboa, 1946 — «a necessidade sôfrega de estar... [Lire la suite]
Posté par teodias à 20:38 - - Commentaires [0] - Permalien [#]