repórter

textos de Augusto Baptista

19 octobre 2006

A revelação dos passos

As pessoas estão a ficar cada vez mais egoístas. Faça o teste: saia à rua, trace um rumo, caminhe. Sem desvio. Verá meio mundo a esbarrar contra si. Tudo gente que anda a direito. Sem desvio.   Augusto Baptista  In Notícias Magazine de 1 de Set 2002
Posté par teodias à 07:40 - - Commentaires [0] - Permalien [#]

18 octobre 2006

Um domingo sem história

Dia agradável, embarco no comboio, rumo a Espinho. A viagem, no suburbano com partida de São Bento às 16h10, decorre sem percalços.   Em Espinho, inevitável, a marginal. Tarde de domingo a propor óculos de sol, variada oferta a roçar os pés dos transeuntes: formigueiro a passear para a frente e para trás. Na barafunda, ciclistas acrobáticos, alçados sobre o selim. E o mar, picado, a arremessar-se contra a costa; o mar a morder tão perto. Cerveja na esplanada, todo o mundo a olhar para longe.   ... [Lire la suite]
Posté par teodias à 22:42 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
18 octobre 2006

Ah, Porto!

O Porto é uma cidade com um não sei quê de diferente e, na escrita, um espanto. Aqui se recebem lições de heterografia (e de muita humanidade). 1 Texto de Augusto Baptista   Casas, gente, ruas, trânsito: são as cidades. Nisso todas são iguais. O desafio está em encontrar as diferenças, desvendar as impressões digitais de cada uma, partir à descoberta, mesmo quando se fica. Sempre que posso perco-me no Porto. Entrego-me à cidade sem reservas. Devagarinho, sem destino nem norte, deixo-me escorregar ... [Lire la suite]
Posté par teodias à 07:12 - Commentaires [0] - Permalien [#]
17 octobre 2006

Um ás da sobrevivência

 De uma prole de 27, a fome e a doença dizimaram 20. Joaquim Lopes sobreviveu à hecatombe familiar e cresceu com esse jeito ganhador. Aos 12 anos era ardina de sucesso; aos 30, o lendário "Lopes dos jornais". E depois de transitar por dois empregos de fato e gravata, aos 60 abraçou a profissão de trintanário. Texto de Augusto Baptista   «As pessoas dizem que a farda me fica bem por eu ser muito alto, tipo inglês. Segundo vim a saber, um hotel requer à porta uma pessoa assim». Discurso... [Lire la suite]
Posté par teodias à 18:41 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
12 octobre 2006

Curros Galegos

Todos os anos, com o aproximar do Verão, a Galiza cumpre o cerimonial festivo da Rapa das Bestas. Em datas e locais que a tradição fixou, os criadores vão por recônditas serranias em busca dos seus cavalos, recolhem-nos, agrupam-nos e, aos poucos — regatos a engrossarem um rio caudaloso — a manada anima-se em corrente pelos montes, alvoroço de relinchos e galopes, desde o amanhecer. Pelo fim da manhã, manto irrequieto anunciado por nuvens de pó, tropel que cresce, se avizinha, a turba desagua no destino. Correnteza... [Lire la suite]
Posté par teodias à 12:32 - Commentaires [0] - Permalien [#]
12 octobre 2006

Um homem do TEP

Trabalhou com António Pedro, com todos os nomes, nas últimas décadas do TEP. Bilheteiro, ponto, contra-regra, guardião de memórias, Vidal Valente é rosto discreto de uma companhia que insiste em experimentar teatro.   Texto de Augusto Baptista «Eram dois. Um para o texto, outro para ver. Tocou-me algumas vezes abrir a cortina: Vossas Excelências dão licença de iniciarmos o ensaio? Na sala já estava tudo preparado. O que lia o texto precisava de um apoio, uma mesa com luz. O outro só via os... [Lire la suite]
Posté par teodias à 00:22 - - Commentaires [0] - Permalien [#]

11 octobre 2006

Garrano ameaçado!

José Leite, médico veterinário e o responsável pela defesa do cavalo Garrano, alerta: «Se morrerem os incentivos aos criadores, morre o Garrano!».   Garrano ameaçado! 1   Dos filmes de far west recordamos manadas de cavalos a galope, incendiando a pradaria. O fascínio, para sempre gravado na memória! Mas, para vivenciar um quadro assim, não é preciso ir ao cinema, não é preciso ir à América: bastará um pulo ao Minho, uma ida à serra, ao Parque Nacional da Peneda Gerês. Aí, com o respeito que nos... [Lire la suite]
Posté par teodias à 11:12 - Commentaires [0] - Permalien [#]
10 octobre 2006

Cándido Pazó

Cándido Pazó 1 — a palavra   Texto de Augusto Baptista Si he sufrido la sed, el hambre, todo lo que era mío y resultó ser nada, si he segado las sombras en silencio, me queda la palabra.   Blas de Otero in En el principio     No sossego de uma moradia do pacato bairro Norton de Matos, em Coimbra, sala luminosa, olhar debruçado sobre o novo estádio de futebol da Académica, a entrevista com Cándido Pazó: momento para desvendar segredos sobre o... [Lire la suite]
Posté par teodias à 21:08 - Commentaires [0] - Permalien [#]
10 octobre 2006

Mestre Pedrosa

A vida dos homens, podendo animar longos romances, cabe quase sempre em poucas palavras. No caso de mestre Pedrosa, bastam duas: trabalho, honradez. Para o retrato ficar completo, só mais um pormenor: é sogro da Rosa Mota.   Fotografia e texto Augusto Baptista   «Gosto dela como pessoa e como família. Não distingo a Rosa das minhas filhas». Vindo de quem vem, o alcandorar de Rosa Mota ao pódio familiar dos Pedrosas equivale a uma medalha olímpica. Mestre Pedrosa é um apaixonado pelas... [Lire la suite]
Posté par teodias à 16:08 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
09 octobre 2006

Antônio Vieira

Antônio Vieira usa chapéu: na cabeça e no nome. O circunflexo é coisa de registo; o adereço capital é opção de artista, marca de criador de cordel de tipo novo — remoçado, diz —, que propõe pensar lógico, transformar.  Texto de Augusto Baptista   Mordeu a pedra. À volta, todos, que poucos eram, suspensos no alvitre. Ouro! — assegurou Pedrão, garimpeiro velho. E no lugar donde esta veio, tem muitas! Logo abraços, implosão de alegria, júbilo amordaçado: para não despertar suspeita. Um caso... [Lire la suite]
Posté par teodias à 19:26 - Commentaires [0] - Permalien [#]