repórter

textos de Augusto Baptista

31 octobre 2006

Ocasos portuenses

Ao lusco-fusco, de regresso a casa, vejo um fulano no passeio, a aproximar-se. Pela mão traz uma motorizada e, quando nos cruzamos, aborda-me, visivelmente constrangido:   — Acabou-se-me a gasolina. Se me pudesse...   Mão sem pensar: 1 euro. E continuo o meu caminho, agora a ponderar no embaraço da situação do outro, na austeridade da minha ajuda, nos inesperados contratempos da vida.   Dias passados, anteontem precisamente, ao lusco-fusco, de regresso a casa, vejo um fulano no... [Lire la suite]
Posté par teodias à 11:44 - - Commentaires [0] - Permalien [#]