repórter

textos de Augusto Baptista

13 juin 2007

O faroeste

De uma das portas da rua nova, emerge o cowboy. Olha para um lado, para o outro, fareja. Esporeia a montada aos relinchos e, com aparato, volteios e tiros, parte a galope.Sem tardança, alcança o fugitivo ofegante, cansado dos pés, no justo instante em que tenta esgueirar-se para o interior da loja. E, à vista de todos, sem dar tempo a que alguém acuda, o revólver do cowboy relampeja. E logo a winchester reluzente que traz a tiracolo, misericordiosa, põe fim ao pleito: um tiro na testa.No sobrado da pacata loja de malhas e miudezas,... [Lire la suite]
Posté par teodias à 12:27 - - Commentaires [1] - Permalien [#]