repórter

textos de Augusto Baptista

13 juin 2007

O faroeste

De uma das portas da rua nova, emerge o cowboy. Olha para um lado, para o outro, fareja. Esporeia a montada aos relinchos e, com aparato, volteios e tiros, parte a galope.

Sem tardança, alcança o fugitivo ofegante, cansado dos pés, no justo instante em que tenta esgueirar-se para o interior da loja. E, à vista de todos, sem dar tempo a que alguém acuda, o revólver do cowboy relampeja. E logo a winchester reluzente que traz a tiracolo, misericordiosa, põe fim ao pleito: um tiro na testa.

No sobrado da pacata loja de malhas e miudezas, mesmo no centro do burgo, jaz o corpo de um índio, a atrapalhar o negócio.

Passado o silêncio que sempre se abre após o tumulto, o índio ainda ensaia abrir um olho. Ressuscitar, timidamente. Para depois fugir. Retomar a contenda. Mas, exausto, acha melhor acabar por ali.

E morre.

Os contendores, juntos, rumam a casa para, no saloon familiar, tombarem uns copos: o dia está quente e, na rua, não há chafarizes. No trajecto, o heróico cowboy prende o pé no tubinho, vero arame de tropeçar, que, dissimuladamente, como convém a este tipo de armadilha, mandaram instalar. Cai, não cai, bate com a testa no cubo de pedra contíguo, desfalece. Indignado, o índio parte o nariz a um elefante estacionado.

Acaba tudo num lugar longínquo, que na cidade não há urgência pediátrica. Nem clínica veterinária para bichos de grande porte.

Augusto Baptista


Posté par teodias à 12:27 - Histórias de passagem - Commentaires [1] - Permalien [#]

Commentaires

    Que terra

    É certo que naquela nossa terra passam-se coisas do Arco.da-nova, e o Augusto Baptista não esvaneceu em energia para ser o grande mensageiro.

    Posté par Luís, 22 juin 2007 à 16:46

Poster un commentaire