repórter

textos de Augusto Baptista

20 octobre 2006

Rotunda da Boavista


O motociclista escapou por um triz à dianteira do automóvel, e parou mais à frente, a protestar. Por destino ou para fugir à proximidade com a indignação, o automóvel guina à direita. Em perigo fico eu de repente, eu a atravessar a passadeira a coberto do verde. Não dá para escapar, correr para a frente, pular para trás.

Estou encurralado no meio da estrada. De consciência lavada, no respeito das regras que aos peões se exigem, morrerei de pé. E encontro coragem para olhar nos olhos o instante, testemunhar a minha própria morte. Morte?!, que outro destino, varrido pelo desvario que aí vem?

No momento derradeiro o carro trava, pneus a fumegar. Mas avança! Não me mexo, nada adianta. À minha frente, rente ao corpo, enfim parada, a ameaça. Jovem e muito feminina, por sinal. Mas algo melancólica, diria deprimida, alheia. Desgosto de amor? Pousada ao volante, displicente, uma mão; a outra, embriagada ainda pelo telemóvel.


AB

 In Notícias Magazine de 9 de Jun 2002


Posté par teodias à 21:41 - textos curtos - Commentaires [0] - Permalien [#]

Commentaires

Poster un commentaire