repórter

textos de Augusto Baptista

12 octobre 2006

Curros Galegos



Todos os anos, com o aproximar do Verão, a Galiza cumpre o cerimonial festivo da Rapa das Bestas. Em datas e locais que a tradição fixou, os criadores vão por recônditas serranias em busca dos seus cavalos, recolhem-nos, agrupam-nos e, aos poucos — regatos a engrossarem um rio caudaloso — a manada anima-se em corrente pelos montes, alvoroço de relinchos e galopes, desde o amanhecer.

Pelo fim da manhã, manto irrequieto anunciado por nuvens de pó, tropel que cresce, se avizinha, a turba desagua no destino. Correnteza veloz, invade o curro, entre relinchos, gritos. E revolve-se, em turbilhão. Sem saída.

Munidos de grossos cajados, os criadores entram no redemoinho, atiçam o sobressalto no cercado. Corpos afogados entre garupas e dorsos de cavalos a suar, dos homens só se vêem as cabeças. E os braços esticados, de onde às vezes irrompem, entre mãos, compridas varas, ornadas de cordame com laço corrediço.

Num afã que dura horas, são apartados animais, identificados, marcados a fogo com o ferro do dono. E rapam-lhes as crineiras, aparam-lhes as caudas. Garanhões, éguas e poldros são desparasitados, devolvidos à serra. E há negócio, compra e venda de cavalos. 

No primeiro domingo de Junho de 2001, a NM foi ver a festa. Em Torroña, junto à fronteira e não longe de Vigo, no cumprimento do ancestral imperativo, os criadores montaram cerco à serra, arrebanharam no curro centenas de animais. Entre estes, jóia da coroa, alguns bonitos exemplares do Cavalo Galego do Monte, raça autóctone — próxima do nosso Garrano, até no perigo de extinção. Pelas abas do fervedouro, em altaneira segurança, mirones e forasteiros, a ver.

Depois de Torroña, a temporada prolonga-se até o final de Agosto, 4.º domingo, em Paradanda (Luneda — A Cañiza — Pontevedra). Mais ou menos antigos, com menos ou mais cavalos, nesta época os curros galegos oferecem um leque de opções farto e variado. Constante, em todos eles, é o assombro. Dos homens. E dos bichos.

 

 

Texto de Augusto Baptista 

In Notícias Magazine 2002

Posté par teodias à 12:32 - Commentaires [0] - Permalien [#]

Commentaires

Poster un commentaire