repórter

textos de Augusto Baptista

02 octobre 2006

Poesia maior

Arquitecto de formação, Virgínio Moutinho é um obreiro de quimeras, a que chama brinquedos. Escultor de utopias, as suas obras aspiram ao perpétuo movimento, à concreta abstracção, ao pleno despojamento, ao paradoxo. E à síntese, na alquímica transmutação da forma em fumo, da substância em poesia. 1   Texto de Augusto Baptista   Há quatro anos, propôs para o Parque da Cidade, no Porto, um peixe metálico com quase dez metros, que andava debaixo de água e emergia, de tempos a tempos, com um jacto... [Lire la suite]
Posté par teodias à 18:15 - Commentaires [0] - Permalien [#]

02 octobre 2006

O Seringador

Desde os anos 60, João de Almeida Arrepia é a alma d'O Seringador, folheto centenário que elegeu como figura emblemática um barbudo e emplumado desinfestador de sociais mazelas. 1   Texto de Augusto Baptista   À primeira vista, tudo suporia desencontro. Ele, asa celeste, nado em 1936, chão de Foz Côa, estudante em Vinhais e em Macau. Ela, nascimento no Porto em 1866, pendor terreno, vocação anticlerical. Mas quis a sorte que cruzassem destinos. Foi na Lello que ambos se encontraram, nos anos... [Lire la suite]
Posté par teodias à 12:24 - - Commentaires [0] - Permalien [#]
02 octobre 2006

A árvore de pé descalço

 Tronco dobrado sob o molho da carqueja, Palmira de Sousa foi, durante quase meio século, a fantástica figuração de uma árvore de pé descalço a caminhar no Porto, fustigada pela mais inclemente exploração. 1                                                                      ... [Lire la suite]
Posté par teodias à 00:01 - - Commentaires [0] - Permalien [#]